meta name="facebook-domain-verification" content="sc1nu0ehehn6bqn9x2zgmvdrpra0v3

ECOTURISMO NO PARQUE DO TUMUCUMAQUE GANHA VISIBILIDADE NESTE PÓS-PANDEMIA

O maior parque nacional do Brasil e uma das maiores áreas de floresta tropical protegidas do mundo, o Parque Montanhas do Tumucumaque, localizado ao noroeste do Amapá, tem ganhado uma promoção cada vez mais evidente para turistas que buscam um contato direto com a natureza e ao ar livre. E o ecoturismo cresce bastante na região. O ecoturismo nada mais é do que um turismo que tem como objetivo preservar a natureza enquanto as pessoas a admiram.

Mirante da Mina F12, Serra do Navio (AP)
Mirante da Mina F12, Serra do Navio (AP)

Com uma área de 4 milhões de hectares, o parque é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e é uma unidade de conservação. Ali o turismo ecológico é uma atividade permitida e desejável para o auxiliar na educação do uso sustentável dos recursos naturais como alternativas de geração de emprego e renda. A atividade turística no parque se dá em dois polos diferentes: o Polo Amapari e o Polo Oiapoque. Para aproveitar o potencial gerado pelo pós-pandêmia, a Amapá Ecocamping, operadora especializada em produtos turísticos na região amazônica, tem vendido muitos pacotes para grupos de turistas brasileiros e estrangeiros..

O pacote oferecido pela empresa é a partir do Rio Amapari. De Macapá até a entrada do Parque, a última cidade chama-se Serra do Navio. São exatamente 220 km (metade do trajeto é com estrada asfaltada). Os muitos buracos do último trecho somados ao estilo rústico das casas à beira do caminho revelam o início de uma experiência por um Brasil amazônico desconhecido para uma grande maioria de brasileiros.

Lagoa Azul, Serra do Navio (AP)
Rio Amapari no Verão. Parque do Tumucumaque
Rio Amapari no Verão. Parque do Tumucumaque

“A aventura inicia-se na comunidade de Vila do Cachaço. A experiência de quem se aventura por ali está em toda a programação, sejam quantos dias forem. O almoço ou jantar ribeirinho permite ao viajante saborear o tempero caseiro e alimentos frescos, além de ser uma oportunidade para conhecer o modo de vida e histórias dos moradores“, observa Victor Hugo Fernandes, proprietário da Amapá Ecocamping.

Durante o tour, a vivência ribeirinha permite uma tarde inteira de atividades desenvolvidas com a comunidade para apresentar o estilo de vida dos locais. As atividades não seguem um itinerário fixo, dando a opção ao turista de escolher algumas experiências como: passeio de canoa ou barco; casa da farinha; casa de cana de açúcar; visita à vila do cachaço; e trilha da cachoeira da Dona Antonia. Não existem muitos hotéis ou pousadas na região, quem opta por desbravar o Tumucumaque conta com a cortesia de famílias que adaptaram suas casas para servir de apoio logístico aos grupos que se aventuram por lá.

O ponto de partida para a jornada é um transfer em voadeiras (embarcações de alumínio) por 80km pelo rio Amapari até o Centro Rústico de Vivência (CRV), base do Parque do Tumucumaque. O que dá em torno de seis horas de viagem. Para aliviar o cansaço do percurso são oferecidas paradas para alimentação, banho de rio e descanso. O CRV é um centro de interpretação da natureza, construído no meio da floresta de acordo com técnicas artesanais rústicas, dotado de estrutura básica de cozinha, banheiros secos e redários.

Base do Instituto Chico Mendesde de Conservação da Biodiversidade. Parque do Tumucumaque
Base do Instituto Chico Mendesde de Conservação da Biodiversidade. Parque do Tumucumaque

A Trilha Ecológica da Copaíba é um passeio pelo interior da floresta preservada, que permite o conhecimento da rica diversidade arborícola, habitat natural de aves, mamíferos, répteis, fungos, cipós e várias surpresas do bioma amazônico. As espécies que mais se destacam são: maçaranduba, maparajuba, cupiúba, mandioqueira, louros, acapu, acariquara,  faveiras, abiuranas, tauari e tachi.

Já na Trilha Ecológica do Monitoramento o foco é apreciar o passeio interpretativo pelo interior da mata para observação de tocas de animais terrestres, ninhos de pássaros e insetos autóctones. Durante o trajeto todos ficam parados em pontos estratégicos para ouvir os sons e observar o movimento da fauna, o uso de binóculos é indicado, pois maximiza a capacidade de visualização”, reforça Victor. O parque possui uma fauna que vai desde grandes carnívoros, como a onça-pintada e a suçuarana, até beija-flores multicoloridos, como o beija-flor-brilho-de-fogo. Espécies importantes como o joão-rabudo e o papa-moscas também podem ser encontradas no parque. Entre os primatas podem ser encontrados o macaco-de-cheiro, o macaco-prego, o cuxiú, o paraguaçu, o guariba e o macaco-aranha.

Cipó Escada de Jabuti ((Bahuinia rutilans Spruce ex Benth).
Cipó Escada de Jabuti ((Bahuinia rutilans Spruce ex Benth).

O último dia é dia de desmontar acampamento e retornar a Serra do Navio onde é possível visitar os principais atrativos históricos, culturais e geográficos do município. Um deles é a Lagoa Azul, piscina natural que surgiu do processo exploratório do manganês na região. Testes químicos realizados pelo Instituto de Meio Ambiente do Amapá (IMAP) já constataram que a água não é potável, mas é própria para banho.

Com o intuito de oferecer mais segurança, a expedição demanda um conhecimento especializado. Por este motivo, uma apresentação da equipe de apoio é necessária, onde são ressaltados temas referentes à prevenção e instruções em caso de procedimentos de emergência.

Serviço:

Expedição pelo Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque
CONTATO: (96) 98141-0316

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Related Post